Suplementar: População de Pedro Velho (RN) volta às urnas pela 3ª vez em menos de 4 anos para eleger prefeito

Eleitores de Pedro Velho votam pela 3ª vez em menos de 4 anos para prefeitura do município. Créditos da Foto: Divulgação/TRE-RN

A população da cidade de Pedro Velho, na Região Agreste do Rio Grande do Norte, voltou às ruas neste domingo (3) para a terceira eleição para prefeito em menos de quatro anos, período que representa um ciclo eleitoral municipal.

A situação ocorre após sucessivas cassações de prefeitos e vices desde as eleições municipais de 2020 (veja histórico mais abaixo).

O candidato que for eleito na eleição suplementar deste domingo terá uma gestão tampão até o fim de 2024, já que em outubro haverá novas eleições municipais em todo o Brasil, seguindo o calendário eleitoral regular. A eleição de outubro será a quarta eleição no município em quatro anos.

Os candidatos registrados são, em ordem alfabética:

• João Celso Targino (MDB), 64 anos, pecuarista, candidato a prefeito
Ananilda Barbosa (PSDB), candidata a vice-prefeita

• Júnior Balada (União Brasil), 41 anos, empresário, candidato a prefeito
Jader Marques (União Brasil), candidato a vice-prefeito
O município tem mais de 11.840 eleitores, divididos em seis locais de votação, sendo dois na zona rural (Cuité e Carnaúba). Ao todo, são 41 seções eleitorais.

Histórico desde 2020
• Eleição regulares em 2020
A população de Pedro Velho elegeu, em outubro de 2020, nas eleições regulares do município, Derjelane Macedo (PSDB) e Inácio Costa (PSDB), como prefeita e vice. Em março de 2022, no entanto, a Justiça Eleitoral cassou a chapa por abuso de poder político e determinou novas eleições.

• Eleição suplementar em 2022
Em novembro de 2022, os eleitores da cidade voltaram às urnas e elegeram Edna Lemos (PSB) e Rejane Costa como prefeita e vice em uma eleição suplementar. Edna já estava no cargo interinamente por ser a então presidente da Câmara Municipal e foi eleita com 51% dos votos para o Poder Executivo.

Em setembro de 2023, no entanto, a Justiça Eleitoral cassou a chapa de Edna e da vice Rejane por abuso de poder econômico durante a campanha eleitoral. A decisão foi mantida em novembro após recurso da candidata. A decisão também tornou Edna Lemos inelegível por oito anos.

• Gestor interino e novas eleições em março de 2024
Desde setembro de 2023, o município é gerido interinamente por Francisco Gomes (Pros), que é presidente da Câmara Municipal da cidade. Ele segue dessa maneira até o dia 3 de março, quando um novo prefeito será eleito na eleição suplementar e ficará até dezembro numa gestão tampão, já que em outubro terá as eleições municipais regulares em todo o Brasil, que decidirá o prefeito de 2025 até 2028.

Portal G1

SindSerg_Materias
Drogaria_Betesda_Movel
Eduardo_Auto_Pecas_Movel
Carnaval_Guamare_2024
CX_Radios_Fixo
Pagode & Cia_Lateral
Corrida_Guamaré
Carnaval_Guamare_2024_Sabado
Pizzaria_Hamburgueria_AguasMare
Carnaval_Guamare_2024_Terca
SindSerg_Lateral
Eduardo-Auto-Pecas
EliasRaioX
Casa Durval Paiva_Fixo
Carnaval_Guamare_2024_Domingo
Radios_Online_Fixo
LBV_Lateral
MercadinhoDeusProvera
Copiadora-Miranda_Banner_B
App
Anuncie Aqui
HSHOT_500
RadiosNet_Fixo
Ediuny_Oliveira_Live
Radio_Box_Fixo
Guedes-Motos
Carnaval_Guamare_2024_Segunda
Almoçando com Musicas