Guamare News

Prefeita Ostentação: MPF Ajuíza ação de improbidade contra ex-prefeita de Bom Jardim/MA

O Ministério Público Federal no Maranhão (MPF-MA)
divulgou, nesta quinta-feira (25), por meio do site oficial do órgão, que foi
ajuizada ação de improbidade administrativa contra a ex-prefeita de Bom Jardim
(MA), Lidiane Leite da Silva, de 25 anos. Acusada de desviar verbas da
educação no município, ela ficou conhecida como “Prefeita Ostentação”
depois de postar fotos ostentando luxo na internet e ficar foragida 39
dias da Polícia Federal (PF).
No comunicado, o MPF informa que a ação tem como
acusados a ex-prefeita, o ex-marido dela e ex-secretário de Assuntos Políticos,
Humberto Dantas dos Santos, o Beto Rocha, e o ex-secretário municipal de
Agricultura, Antônio Gomes da Silva.
Segundo o órgão ministerial, os três são acusados
de “desvios de recursos federais destinados à merenda escolar (recursos do
Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE/2013, no montante de R$
292.324,00), fraude licitatória e associação criminosa”.
O MPF também afirma que o processo segue em
“segredo de Justiça” e não explica o motivo. Lidiane foi solta no dia 9 de outubro de 2015, após ter obtido a revogação
da prisão na Justiça Federal. A determinação prevê que a ex-prefeita seja
monitorada por tornozeleira eletrônica; compareça mensalmente a juízo para
justificar as atividades; seja proibida de frequentar a Prefeitura de Bom
Jardim e só se ausente de São Luís mediante autorização judicial.
A ex-prefeita voltou a aparecer nas redes sociais
em janeiro deste ano. Nas postagens, ela aparece mais discreta, ao lado de
parentes e amigos. Em uma das fotos, ela aproveita para fazer a propaganda de
uma marca de calçados.
No dia 2 de dezembro de 2015, Lidiane e seus advogados faltaram a
audiência referente a supostas contratações irregulares em 2013, marcada
para ocorrer na sede da Justiça da Comarca de Bom Jardim.

Lidiane Leite se entregou no dia 28 de outubro, na sede da Polícia Federal, em
São Luís, depois de passar 39 dias foragida após ter a prisão decretada pela PF
por suspeita de irregularidades encontradas em contratos firmados com
“empresas-fantasmas”.
G1/MA
Publicidade

Comente!!! Participe de nosso blog!!!