Famosos: Alvo da PF, cantor Alexandre Pires se trancou em banheiro de cruzeiro antes de ter celular apreendido

Créditos da foto: reprodução

Alvo de uma operação da Polícia Federal que mira um suposto esquema de garimpo ilegal na Terra Yanomami, o cantor Alexandre Pires se trancou por algumas horas no banheiro de uma cabine do cruzeiro onde se apresentava em Santos, no litoral de São Paulo, com a chegada dos agentes, antes de ter o celular apreendido. De acordo com as investigações, o artista integraria o “núcleo financeiro” da quadrilha e teria recebido R$ 1,3 milhão de uma mineradora que consta no inquérito. Procurado, ele não se manifestou sobre o caso.

Além do mandado de busca e apreensão contra Pires, a PF cumpriu um de prisão preventiva contra seu empresário, Matheus Possebon. As diligências foram deferidas pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária de Roraima e realizadas em Boa Vista e Mucajaí, em Roraima, além de São Paulo e Santos, Santarém, Uberlândia e Itapema.

A PF aponta que Pires recebeu dois depósitos, de R$ 357 mil e de R$ 1 milhão em suas contas bancárias. A investigação identificou ainda que uma das contas bancárias do músico também chegou a enviar, em uma atividade considerada atípica, R$ 160 mil para a mineradora.

Para os investigadores, essas movimentações financeiras indicam que a conduta de Pires ignorou “a origem do dinheiro e assumiu o risco de ser proveniente de atividade criminosa”.

Ainda de acordo com a PF, “os valores expressivos advindos de uma pessoa jurídica do ramo minerário com artista consagrado nacionalmente é um forte indicativo de ignorância deliberada sobre a origem criminosa do dinheiro de forma a evitar responsabilização criminal”.

A investigação descobriu indícios de que foi armado um suposto esquema para a retirada ilegal de cassiterita, mineral valorizado no mercado internacional, da terra indígena ianomâmi. O minério, segundo a PF, era declarado como originário de um garimpo regular no Rio Tapajós, em Itaituba, no Pará, e supostamente transportado para Roraima para tratamento. As investigações apontam que tal dinâmica ocorreria apenas no papel, já que o minério era extraído do próprio estado de Roraima.

“Foram identificadas transações financeiras que relacionariam toda a cadeia produtiva do esquema, com a presença de pilotos de aeronaves, postos de combustíveis, lojas de máquinas e equipamentos para mineração e laranjas para encobrir movimentações fraudulentas”, informou a PF, em nota.

A operação chamada de Disco de Ouro é um desdobramento de uma ação da PF deflagrada em janeiro de 2022, quando 30 toneladas de cassiterita extraídas de terra indígena que se encontravam depositadas na sede de uma empresa investigada e estariam sendo preparadas para remessa ao exterior. As investigações seguem em andamento.

O Globo

RadioNet_APP
Pizzaria_Hamburgueria_AguasMare
Copiadora_Miranda_Movel
Carnaval_Guamare_2024_Domingo
Casa Durval Paiva_Fixo
Ediuny_Oliveira_Live
Carnaval_Guamare_2024_Segunda
Pagode & Cia_Lateral
Carnaval_Guamare_2024
Drogaria_Ana_Luiza_Lat
App
LBV_Lateral
Carnaval_Guamare_2024_Sabado
SindSerg_Lateral
Radio_Box_Fixo
EliasRaioX
Radios_Online_Fixo
HSHOT_500
CX_Radios_Fixo
Copiadora-Miranda_Banner_B
Carnaval_Guamare_2024_Terca
Show da Manha
JM-VARIEDADES
Drogaria Betesta
RadiosNet_Fixo
Guedes-Motos
Eduardo-Auto-Pecas
MercadinhoDeusProvera