Esporte : Tite pede punição por caso de racismo em amistoso: ‘No futebol não vale tudo’

Foto: Lucas Figueiredo

A seleção brasileira aplicou 5 a 1 na Tunísia em seu último jogo antes da Copa do Mundo do Catar e mostrou bom futebol. Mas vaias ao hino brasileiro e uma banana atirada na direção do atacante Richarlison no primeiro tempo mancharam a festa no Parque dos Príncipes, em Paris.

A vitória por 5 a 1, os belos gols e outra vez o ritmo alucinante demonstrado pela seleção brasileira no primeiro tempo deveria ser o destaque da partida, mas o que era para ser uma festa desandou. Primeiro com as vaias por parte da torcida tunisiana, enquanto o hino nacional brasileiro foi executado.

Minutos mais tarde, durante a comemoração do segundo gol, de Richarlison, aos 19 minutos, bananas foram lançadas ao gramado. O jogo prosseguiu, com algumas jogadas ríspidas e clima quente no gramado e nas arquibancadas e motivou uma nota de protesto por parte da CBF. Tite e Juninho Paulista, coordenador técnico da seleção brasileira, e Cesar Sampaio, auxiliar técnico, também foram se manifestaram.

“A CBF repudia todo e qualquer ato de racismo: está na hora de punir racistas”, disse Juninho Paulista, o primeiro a falar sobre o caso. Na sequência, Tite seguiu na mesma linha. “No futebol não vale tudo. Lugar de estádio não é para fazer o que se quer. O processo de educação e punição tem que ser, também, dentro do estádio, também com torcida”, afirmou. “Ninguém tem exposição pública a estar tomando qualquer que seja a situação. Que os órgãos responsáveis devem tomar providências, contra os que fazem coisas erradas”, completou o treinador.

O presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, também estava no estádio e se posicionou em comunicado. “Mais um vez, venho publicamente manifestar o meu repúdio. Desta vez, vi com os meus olhos. isso nos choca. É preciso lembrar sempre que somos todos iguais, não importa a cor, raça ou religião. O combate ao racismo não é uma causa, é uma mudança fundamental para varrer esse tipo de crime de todo o planeta. Eu insisto em dizer que as punições precisam ser mais severas”.

A banana atirada em direção a Richarlison lembrou a série de manifestações racistas enfrentadas pelo lateral-direito Daniel Alves, em 2014, quando ele atuava pelo Barcelona. E vem dias depois de um ataque racista perpetrado contra Vinicius Jr em um programa da TV espanhola, condenando seu hábito de celebrar seus gols com danças irreverentes.

Estadão

AnuncieAqui_Movel
CX_Radio_Movel
Almoçando comMusicas
App
Cartão
Banner 87
Copiadora-Miranda_Banner_B
HSHOT_500
RadiosNet_Fixo
Guedes-Motos
Pizzaria_Hamburgueria_AguasMare
Anuncie Aqui
MiniprecoFixo
CX_Radio_Fixo
Eduardo-Auto-Pecas
OpticaEmporio
DN_Servicos_Fixo_2
Show da Manha
Drogaria Betesta
JM-VARIEDADES
Radios_Online_Fixo
Radio_Box_Fixo
CX_Radios_Fixo
MercadinhoDeusProvera
Ediuny_Oliveira_Live