Economia: Comércio de artigos usados segue em alta e amplia mercado no RN

Foto divulgação

Velho que nada, apenas usado. Essa ideia moveu dezenas de empreendedores no Rio Grande do Norte a apostar no comércio de artigos usados em brechós, sebos, bazares e antiquários como forma de fazer negócio.

De acordo com balanço feito pelo Sebrae, entre 2019 e o primeiro semestre deste ano, o Estado registrou a abertura de 121 empresas nesse nicho. Em todo o Brasil, a tendência tem ganhado força e as atividades de compra e venda de produtos usados apresentaram um crescimento de novos negócios. Foram abertos nos primeiros seis meses do ano 2.308 novos pequenos empreendimentos nessa área.

No RN, a maioria dos negócios foi registrada na categoria de Microempreendedor Individual (MEI), o que demonstra o pequeno porte dessas empresas. A tendência ganhou força com a chegada da pandemia de covid-19 e, com o aperto da economia, a perspectiva é de que a compra e venda de mercadorias usadas deva continuar.

O fator financeiro – tanto para quem adquire um produto com preço mais em conta, quanto para aquele que comercializa o que já não utiliza mais – aliado ao consumo consciente e sustentável e à redução de desperdício vem garantindo a expansão de negócios no setor, puxada principalmente pelas gerações mais novas.

Aqueles que já atuam nesse ramos percebem o aquecimento. Há 10 anos no mercado com a loja Mistura Brechó, em Natal, o empresário Wendell Lopes, explica que o segmento já vinha numa crescente ao longo da última década e experimentou um grande boom durante a pandemia, em função das dificuldades financeiras enfrentadas pelas famílias que, segundo ele, perceberam que o que tinham em casa, dava para montar um negócio.

“Começaram a vender as coisas que tinham em casa, sem uso, garantindo uma rentabilidade para minimizar os impactos da crise”, constata ele, que empreendeu na área da moda por mais de 20 anos e decidiu apostar no nicho dos brechós, que com a onda de desapego, revelou-se bastante rentável. “Bom para quem vende e também para quem compra”, resume.

Especialista em Marketing, Wendell Lopes, admite que há uma década havia um certo preconceito das pessoas em adquirir uma peça de roupa, principalmente, usada e semi-nova. Contudo, essa rejeição foi dando lugar a um consumo mais consciente e sustentável, inclusive por questões financeiras. “Reconheço que o preço das peças encontradas nos brechós é o maior atrativo, mas a questão da sustentabilidade também conta na hora da decisão de compra”, observa Wendell.

O espaço comercializa peças do vestuário feminino e masculino, acessórios de moda, e agora está ampliando a loja para oferecer moda infantil, objetos de casa e artigos vintage. A aquisição das peças da Mistura Brechó é feita através de garimpagem em lojas do sul e sudeste do país e também de pessoas que fornecem lotes com no mínimo 20 peças, as quais passam por uma rigorosa curadoria feita pelo próprio empresário.

Para quem está pensando em investir nesse ramo ou já tem um negócio estabelecido, a recomendação de especialistas do Sebrae é se preparar para se diferenciar, e por isso selecionaram algumas dicas. Como em qualquer negócio, planejamento, pesquisa e busca por orientação são o primeiro passo para uma empresa bem gerida. Boa parte dessa pesquisa já pode ser feita diretamente na internet, pois esse mercado vem ganhando espaço principalmente no mundo virtual.

Existem várias plataformas de vendas on-line que se tornaram um grande canal para itens usados em geral e existem até mesmo alguns marketplaces especializados em roupas usadas. Os marketplaces podem servir também para obter uma visão bastante ampla dos produtos e dos concorrentes e do que os consumidores estão buscando.

É preciso lembrar que os principais criadores de conteúdo e geradores de tendências estão acessíveis a todos pelas redes sociais e muitos também possuem lojas vinculadas aos seus perfis. Acompanhar essas tendências é fundamental para conseguir fazer uma boa seleção de produtos usados, que terão saída e farão girar o estoque.

Quatro passos para transformar desapego e antiguidades em renda

1 – Planejamento, pesquisa e busca de orientação são o 1º passo para uma empresa bem gerida. Boa parte dessa pesquisa pode ser feita diretamente na internet, onde esse mercado tem ganhado muito espaço
2 – Nas plataformas de vendas online de itens usados e nos marketplaces especializados em roupas usadas é possível  ter uma visão ampla dos produtos, dos concorrentes e do que os consumidores buscam
3 – Atenção às tendências geradas por criadores de conteúdo nas redes sociais, muitos têm lojas associadas aos perfis
4 – Acompanhar esses criadores de conteúdo ajudará a fazer uma boa seleção de produtos usados que terão saída e farão girar o estoque

Tribuna do Norte

Optica_Emporio
LBV Campanhas
Pizzaria_Hamburgueria_AguasMare
Ediuny_Oliveira_Live
App
DN_Servicos_Fixo_2
Cartão
MiniprecoFixo
Copiadora-Miranda_Banner_B
HSHOT_500
Pizzaria_Hamburgueria_AguasMare
OpticaEmporio
Eduardo-Auto-Pecas
Radios_Online_Fixo
Drogaria Betesta
MercadinhoDeusProvera
Guedes-Motos
CX_Radios_Fixo
Banner 87
JM-VARIEDADES
RadiosNet_Fixo
Anuncie Aqui
Radio_Box_Fixo