Deu no Diario do RN: Veja como funcionava o esquema de furar fila da saúde do suplente de Rafael Motta

Foto reprodução

A reportagem do Diário do RN publicada nesta sexta-feira (26) explica como funcionava o esquema investigado pela operação Fura-fila, do MP. A investigação do MP combateu o favorecimento de eleitores do Deputado Souza na fila do SUS para exames e procedimentos cirúrgicos.

Em resumo: quem tinha indicação de Souza, passava na frente, a ordem cronológica não era respeitada.

O Diário do RN trouxe documentos do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), comprovando as negociações entre o deputado estadual Souza Neto (PSB), primeiro suplente do candidato ao Senado Rafael Motta (PSB), e o vereador de Parnamirim Diogo Rodrigues (PSD), preso na Operação Fura-fila, em abril de 2020.

Foto reprodução

Para o MP, Diogo integra um esquema fraudulento no sistema de marcação de consultas e exames do Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado. De acordo com a documentação na matéria do Diário do RN, fica evidente que os pedidos encaminhados pelo deputado Souza “eram atendidos de forma prioritária e articulada, sem respeitar os critérios de autorização de exames estabelecidos pela regulação do Estado”. As mensagens, também indicam a relação neogical entre Diogo e Souza Neto, pois muitos dos pedidos enviados por um dos municípios que integram a base do parlamentar, Frutuoso Gomes, eram encaminhados por este.

Uma conversa, datada de 21 de setembro, flagrou Diogo dizendo a Souza: “… a nossa meta é lhe reeleger, e consiga uma chance para mim com vc (SIC) na AL (Assembleia Legislativa) ou no Estado mesmo […] se Deus permitir. Quero expandir o serviço na saúde”. Ao que o deputado responde: “Tranquilo, meu irmão”. Já no dia 25 de setembro, há o breve diálogo entre Diogo e Ericleide, quando este diz: “Ericleide, isso são pedidos de Souza. Ele me manda. Mas não tá (SIC) no sistema. Veja por onde inserir kkk”. A conversa revela a prática, por parte dos investigados, de burlar, fraudar o sistema de marcação de consultas e exames do Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado, de forma recorrente.

Outra conversa entre Diogo e a esposa, Monikely Nunes, ele diz que Souza havia chegado. Ela então questiona: “quitou tudo?”, ao que Diogo responde: “o irmão dele combinou de vim aqui no estacionamento” e que “falta 3 em meio. Tem 5”. O trecho do documento deixa implícito que os investigados recebiam valores pelo “trabalho” de fraude do sistema de regulação estadual. No documento, há vários comprovantes de depósitos de R$ 500, alguns para a conta da mãe do vereador, que eram pagamentos para autorizar exames de alta complexidade.

O 1º suplente do candidato ao Senado Rafael Motta, Souza Neto tentou impedir o andamento das investigações, acionando o Superior Tribunal de Justiça (STJ). No entanto, o STJ negou o pedido justificando que, “os delitos imputados ao ora paciente não têm pertinência com o exercício das funções de deputado”. Ele também negou a hipótese de “constrangimento ilegal na tramitação da investigação penal em juízo de 1ª instância”. O julgador indica os delitos de peculato, falsidade ideológica e corrupção passiva, por ter participado do esquema que incluía dados falsos no Sistema Integrado de Gerenciamento de Usuários do SUS (SIGSUS).

Do Blog do BG

Mercadinho Deus Proverá
LBV Campanhas
WebRadio_Site_Movel
HSHOT_500
Copiadora-Miranda_Banner_B
Radio_Box_Fixo
Almoçando com Musicas
LBV_Lateral
Pagode & Cia_Lateral
CX_Radios_Fixo
Show da Manha
Pizzaria_Hamburgueria_AguasMare
SindSerg_Lateral
Eduardo-Auto-Pecas
Anuncie Aqui
RadiosNet_Fixo
Casa Durval Paiva_Fixo
MercadinhoDeusProvera
Guedes-Motos
App
Sao_Joao_Monsenhor
EliasRaioX
Ediuny_Oliveira_Live
JM-VARIEDADES
Radios_Online_Fixo
Drogaria Betesta