Costa Branca: Tribunal mantém indenização concedida a homem que sofreu humilhações ao ser preso

Créditos da Foto: Adriano Abreu

A 1ª Câmara Cível do TJRN manteve uma condenação, no valor de R$ 8 mil, imposta ao Estado do Rio Grande do Norte para indenizar um homem que foi submetido a uma série de violações a seus direitos fundamentais no momento em que foi preso.

Conforme consta no processo, a 1ª Vara da  Comarca de Macau fez o julgamento em 1ª instância e o autor recorreu para buscar ampliação do valor indenizatório, em razão dos danos morais por ele sofridos ao ser preso pela prática de furto no dia de seu aniversário.

Na ocasião, foi organizada para ele uma “festa de aniversário” pelos agentes da polícia militar, “incluindo bolo e refrigerante, perpetuando a exposição de sua imagem em meio a risadas, gracejos e deboches”.

Consta ainda no processo que houve, ainda, divulgação posterior dos abusos nos meios internet e televisão, fato que agravou, ainda mais, “a violação à imagem e intimidade, expondo a pessoa a constrangimento e estigmatização”.

Ao analisar o processo na 2ª instância, o desembargador Cláudio Santos, relator do recurso, apontou que a realização de “uma festa de aniversário, para um custodiado, dentro de uma delegacia, com a participação de policiais, é uma conduta completamente inadequada, para dizer o mínimo”.

Entretanto, o magistrado refletiu que a fixação do valor indenizatório referentes a situações que originaram os danos morais “é questão de difícil análise, pois não há como se aferir monetariamente o valor exato a cobrir dor do lesado”.

Nesse aspecto, o desembargador pontuou que “não existem critérios objetivos, devendo prevalecer a subjetividade, ou melhor, devem ser observados em cada caso a repercussão do dano”, assim como as condições financeiras da parte que causou o ilícito e do lesado.

E complementou indicando ser necessário que o julgador tenha como referência a “busca de um valor justo, que não seja tão alto, para gerar enriquecimento ilícito, nem tão baixo, ao ponto de não ter caráter punitivo”.

Por fim, o desembargador levou em consideração os princípios da razoabilidade e proporcionalidade e determinou a manutenção do valor da indenização fixado anteriormente em decorrência das práticas “realizadas pelos agentes públicos, que causaram danos à imagem do autor, ora apelante”.

TJRN

Eduardo_Auto_Pecas_Movel
WebRadio_APP
Mercadinho Deus Proverá
Show da Manha
Ediuny_Oliveira_Live
MercadinhoDeusProvera
SindSerg_Lateral
HSHOT_500
Radio_Box_Fixo
Radios_Online_Fixo
Guedes-Motos
Pagode & Cia_Lateral
EliasRaioX
Drogaria Betesta
LBV_Lateral
CX_Radios_Fixo
Copiadora-Miranda_Banner_B
Sao_Joao_Monsenhor
Almoçando com Musicas
Eduardo-Auto-Pecas
App
Pizzaria_Hamburgueria_AguasMare
Casa Durval Paiva_Fixo
RadiosNet_Fixo
JM-VARIEDADES
Anuncie Aqui